GREVE! GOVERNO NÃO APRESENTA REAJUSTE

Após longa espera por reajuste salarial, o governo decepciona os trabalhadores. Pois, não atende nenhuma reivindicação, nem mesmo as específicas, que são aquelas que não geram custo algum para o governo.
“GREVE… GREVE… GREVE… GREVE”… foi assim que os trabalhadores falavam em coro na assembleia que ocorreu no dia 24 de março de 2015.
Relembrando os fatos:

1- Dia 17 de março o Secretário de Planejamento, Helvécio Magalhães, reuniu-se com a Intersindical e a ASTHEMG. Nessa reunião eles apresentaram estudos sobre a situação financeira do Estado justificado a impossibilidade de oferecer aumento de salário para o funcionalismo. 
As entidades sindicais, por unanimidade, questionaram essa posição do governo. Arrocho salarial, falta de condições de trabalho é a situação  do funcionário público atualmente. Ao final da reunião a  SEPLAG disse que faria negociações específicas.
2- Também tivemos reunião com a Fhemig. Uma reunião extremamente improdutiva. O máximo que a Fhemig disse foi que ainda estava estudando as 30hs, apesar de já ter o estudo desde dezembro de 2014, bem como também questionaram o nosso horário de almoço.Ou seja, questionaram o que já conseguimos através de luta, ao invés de avançar querem retroceder.
3- No dia 20 de março a SEPLAG informou-nos que a reunião específica aconteceria no dia 24 de março às 15h e 30 min. Ou seja, no mesmo horário da nossa assembleia.
4– No dia 23 de março novo contato da SEPLAG, dessa vez comunicando a suspensão da reunião sem nova data definida.
Muitas reivindicações específicas nem geram custo, mas a Fhemig e a SEPLAG se recursaram a atender a pauta, na verdade, as reuniões na Fhemig e na SEPLAG foram apenas formalidades. Para dizerem que tem diálogo, que é um governo com participação, e se  reúnem com os trabalhadores. Mas, na reunião não apresentam nem uma resposta positiva das nossas reivindicações.

RESPOSTA DOS TRABALHADORES:
A Assembleia dos trabalhadores foi bastante calorosa. Foi lembrado que em novembro do ano passado suspendemos a greve, pois reunimos com a equipe de transição do governo que se prontificou em apresentar propostas as nossas reivindicações no início do ano. E até agora nada, nem aumento de salário, nem as 30hs e muito menos propostas para os trabalhadores. 

A GREVE FOI APROVADA POR UNANIMIDADE. Algumas companheiros do hospital João XXIII  propuseram iniciar a greve no dia seguinte, já a diretoria da ASTHEMG propôs iniciar no dia 30/03, segunda-feira, o que foi aprovado pelos trabalhadores. 
Também ficou decidido como estratégia do movimento fazer paralisações progressivas, ou seja, vamos iniciar em apenas alguns hospitais no dia 30 de março e ampliando para outros hospitais a medida que continuar a greve.

NOVA  ASSEMBLEIA GERAL
No dia 30/03 haverá nova ASSEMBLÉIA GERAL, com os hospitais que estiverem parados e os que ainda não estiverem, para avaliação do movimento.

Estratégia da greve: o comando de greve está discutindo estratégias tendo como foco duas questões: Formas de termos uma boa repercussão na imprensa e o envolvimento com os usuários. Para isso, estamos organizando inúmeros relatórios das unidades nos últimos três meses.  Para que tudo dê certo os comandos de greve das unidades farão reuniões setoriais com um calendário que divulgaremos a medida que a greve for acontecendo. Com o Lema: Dignidade Para Os Pacientes E Respeito Para Com Os Trabalhadores. Estaremos nas ruas de BH e do interior.

Deixe uma resposta